construção

Ana Tavares
, 19-09-2017

Produção na construção cresce 1,7% em Portugal

A produção no setor da construção aumentou 1,7% em julho em Portugal na comparação homóloga com julho do ano passado.

Os dados do Eurostat mostram que a subida foi de 1% face ao mês anterior.

Por outro lado, a produção cresceu 3,4% em termos homólogos na zona euro, e 3,6% no conjunto dos países da União Europeia. Face a junho a subida foi mais leve, de 0,2% e 0,5%, respetivamente.

Face a julho de 2016, os maiores crescimentos da produção na construção foram protagonizados pela Hungria, que subiu 22,6%, na Suécia, que subiu 21,2% e na Polónia, com 19,8%. Por outro lado, o Reino Unido, com uma descida de 1,1%, e a Itália, com -0,4%, registaram as maiores descidas do grupo.

A Suécia (7,9%), a Polónia (4,3%) e a Eslováquia (2,8%) destacaram-se nos crescimentos mensais, por oposição à República Checa e à Hungria, que caíram -2,5% e -2,1% face a junho. 

Ana Tavares
, 13-09-2017

Fundo Vallis vende Grupo Elevo por €90M

O fundo Vallis Consolidation Strategies vendeu o Grupo Elevo à Nacala Holdings, uma transação fechada esta semana por cerca de 90 milhões de euros.

Num comunicado da Nacala, citado pelo Negócios, pode ler-se que «a presente transação, que consiste na aquisição da totalidade do capital do Grupo Elevo, a par de um aumento de capital e compra de créditos bancários, traduz-se num reforço significativo dos respetivos capitais próprios, com a consequente redução do endividamento, e ambiciona posicionar a Elevo como um importante player na área das infraestruturas, logística, energia e ambiente, tanto em Portugal como no mercado internacional, especialmente em África e na América Latina».

O vendedor foi assessorado nesta operação pela SRS Advogados, através de uma equipa liderada por Alexandra Valente. Segundo a sociedade, trata-se da maior operação de Private Equity em Portugal no setor da construção.

O investidor foi assessorado pela FCB Sociedade de Advogados. 

De recordar que o fundo adquiriu e restruturou os grupos Edifer, Monte Adriano, Hagen e Eusébios, formando assim o Grupo Elevo. No ano passado, o grupo registou um volume de negócios de cerca de 450 milhões de euros.

Ana Tavares
, 08-09-2017

Emprego na construção sobe 8% até junho

Até junho, o emprego no setor da construção em Portugal cresceu 8%, um resultado que, de acordo com a FEPICOP, confirma a recuperação do setor.

Em nota de conjuntura de agosto, a FEPICOP nota que, de acordo com os últimos dados do INE, o número de trabalhadores do setor cresceu para perto de 310.000 trabalhadores, que compara com os 287.000 registados em igual período do ano passado.

Segundo a federação, «esta  evolução revelou-se mais intensa do que a do total do emprego, mais 3,3%, levando a que o peso do emprego do setor no total recuperasse para 6,6% (6,3% no período homólogo)», cita o Observador. 

Por outro lado, a FEPICOP destaca o comportamento do consumo de cimento, que aumentou 15% até julho, em linha com o Índice de Produção da Construção, ou o crescimento de 26% do número de fogos novos licenciados até junho para perto de 7.000. 

Ana Tavares
, 07-09-2017

Custos da habitação nova crescem 1,5%

A construção de habitação nova ficou 1,5% mais cara em julho, face a igual mês do ano passado, taxa idêntica à do mês anterior. Esta estabilização é mostrada pelo índice agora apresentado pelo INE.

Também as componentes Mão-de-Obra e Materiais mantiveram as suas taxas de variação homóloga registadas em junho, de 2,1% e 0,7%, respetivamente. Já o índice relativo a Apartamentos e Moradias aumentou também 1,5% em termos homólogos.

No que concerne o Índice de Preços de Manutenção e Reparação Regular da Habitação, a variação homóloga foi de 2,6% em julho, menos 0,2% que a registada no mês anterior. A componente Produtos contribuiu para esta descida com uma quebra de 0,6%, ao passo que os Serviços mantiveram os 3,3% do mês anterior.

Em julho, todas as regiões do Continente analisadas apresentaram aumentos nos preços, à exceção do Alentejo que registou uma descida de 0,1%. Por oposição, a Área Metropolitana de Lisboa registou a maior subida, de 4,5%. 

Susana Correia
, 01-09-2017

Coindu Couture reforça presença em Portugal com nova fábrica em Arcos de Valdevez

Integrada num dos maiores grupos têxteis portugueses, a Coindu Couture está a reforçar o seu investimento em Portugal, escolhendo o concelho de Arcos de Valdevez, no norte do país, para receber a sua mais recente unidade de produção.

Com conclusão prevista para o final deste ano, a empreitada foi entregue à Gabriel Couto.

Especializada na produção de assentos em pele para a industria automóvel, mas também no fabrico de malas e carteiras de luxo, a Coindu expande a sua preseça no norte do país com uma unidade de 2.800 m² e que deverá criar 450 novos postos de trabalho quanto estiver em plena laboração.

«Este é mais um desafio a ser alcançado num prazo muito exigente, o que revela a confiança que os investidores neste nicho de mercado têm vindo a depositar na competência apresentada pela nossa empresa”, afirma Carlos Couto, CEO do grupo Gabriel Couto. A Sakthi, em Águeda, a Torrestir, em Perafita, a A. Silva Matos, em Aveiro, a Continental Mabor, em Famalicão, ou a Swedwood, em Paços de Ferreira, são apenas algumas das mais recentes obras concluídas pela construtora portuguesa na área industrial.

«A Gabriel Couto mantém-se assim focada na inovação e na excelência, já que continua a apostar na vanguarda com a engenharia como motor de inovação e desenvolvimento, e vê, com este tipo de empreitadas, o seu portfólio de obras no mercado nacional reforçado nesta área de projetos industriais», conclui Carlos Couto.

Ana Tavares
, 21-07-2017

Cabinda tem novo pólo industrial em 2018

Fica concluída no próximo ano a primeira fase das obras de construção do Pólo Industrial do Fútila, em Cabinda. As obras foram iniciadas em 2013.

Segundo a ministra da Indústria angolana, Bernarda Martins, o pólo deverá começar a receber as primeiras unidades industriais no próximo ano (Outubro), pois as condições mínimas já estão a ser criadas, cita a Macauhub.

A obra foi adjudicada à empresa Benfim. Manuel Nunes Barata, representante da empresa, explicou que esta infra-estrutura resulta de uma parceria entre o governo angolano e a Benfim, nos termos do decreto presidencial que visa a conclusão da obra de construção, incluindo o modelo de gestão e negócio.

Com 2.344 hectares, o novo pólo industrial vai situar-se a 20km de Cabinda, próximo do campo petrolífero do Malongo e do porto de águas profundas em construção no Caio. A primeira fase de construção diz respeito a 102 hectares. 

Ana Tavares
, 21-07-2017

Soares da Costa cede participação em obras à Centro Cerro Angola

A Soares da Costa cedeu a sua participação em duas obras de abastecimento de água em Luanda, adjudicadas pelo Governo angolano por 323,7 milhões de dólares, à Centro Cerro Angola, também de origem portuguesa.

Os despachos governamentais de 12 de Julho aos quais a Lusa teve acesso mostram que esta cedência foi aprovada pelo Governo, apesar de não ter sido dada qualquer explicação para o facto.

Esta obra foi encomendada em Janeiro do ano passado à Soares da Costa, em consórcio com a Degremont e a Mota-Engil, e implica a realização de estudos, projecto executivo e construção da captação, estação de bombagem de água bruta, conduta elevatória, estação de tratamento de água e edifícios e instalações auxiliares do sistema de distribuição de Luanda por 313,8 milhões de dólares.

A segunda encomenda feita à Soares da Costa é a que passa para a Centro Cerro, e corresponde à realização de estudos, projecto executivo e estação de tratamento de águas do sistema IV Bita, por 10,3 milhões de dólares. 

Ana Tavares
, 20-07-2017

CR20 avança com nova marginal de Luanda por $142,4

A empresa chinesa China Railway 20 (CR20) vai avançar com a construção da nova marginal de Luanda, obra orçada em 142,4 milhões de dólares.

A CR20 vai substituir a Odebrecht, envolvida na operação “Lava Jato”, com quem o Governo angolano rescindiu o contrato desta mesma obra. A Lusa teve acesso a esta decisão governamental, e avança que a empreitada diz respeito à 2ª fase da marginal, entre a praia do Bispo e a Corimba.

A obra vai avançar este mês, e insere-se no Plano Diretor Metropolitano de Luanda. O objectivo é descongestionar a estrada da Samba, ponto principal de entrada e saída da capital. Tem um prazo de execução de 18 meses. 

Fernanda Cerqueira
, 19-07-2017

Construção recupera e cresce acima da Zona Euro

O setor da construção nacional dá sinais de recuperação efetiva, com crescimentos consecutivos desde o início do ano e superiores à média da Zona Euro. 

No acumulado do primeiro trimestre, Portugal registou um aumento de produção na construção de 3,4%. De acordo com o Eurostat, citado pelo jornal de Negócios, este aumento representa o oitavo maior crescimento entre os países da Zona Euro.

A mesma publicação assinala que, nos três primeiros meses do ano, a produção da construção aumento 0,6% na Zona Euro e 1,1% na União Europeia, comparativamente ao trimestre anterior.

 

 

 

Susana Correia
, 18-07-2017

CONCRETA está de volta à Exponor em novembro e vira-se para a arquitetura

De 23 a 26 a 26 de novembro, a CONCRETA – Feira de Construção, Reabilitação, Arquitetura e Design está de volta à Exponor, em Matosinhos, e «quer afirmar-se como o maior evento de arquitetura do ano», revela a organização.

Com isto em vista, uma das novidades desta edição são as Praças Concreta, um evento comissariado pelo arquiteto Diogo Aguiar e que irão agrupar empresas «que marcam a diferença no setor da construção, apresentando novas formas de trabalhar e integrando nos seus produtos o potencial das indústrias criativas».

Tendo como parceiro principal a Ordem dos Arquitectos – Secção Regional do Norte (OASRN), a «praça» principal dedicada à arquitetura irá reunir uma pool de vinte gabinetes, que ali contarão com um palco para expor o seu trabalho. Além disso, este espaço será também servido por um auditório para conferências.

Com o objetivo de oferecer uma visão ampla sobre o mercado da arquitetura e do design em Portugal, haverão ainda outras praças, nomeadamente: a Praça do Prémio Concreta / CIN – dedicada ao trabalho dos jovens arquitetos que aportam ao setor novas ideias e propostas inovadoras -, a praça da Ilustração de Arquitetura (com o trabalho do arquiteto e ilustrador Arndé Chiote em destaque) e a Praça Tapeçarias (com trabalhos têxteis de Ana Aragão), além da Praça da Fotografia de Arquitetura  (com trabalhos do fotografo Francisco Nogueira) e a Praça do Vídeo de Arquitetura (sob a batuta da Building Pictures), além da Praça do Portal da Construção Sustentável.

Outra das novas iniciativas destacadas pela organização é a «Architects on Business», que «tem como objetivo divulgar o trabalho dos arquitetos a nível nacional e aproximar a arquitetura ao público em geral».

Nesta edição mais focada no «lado criativo» do setor da construção e do imobiliário, o design também vai marcar presença com um espaço próprio, dinamizado em parceria com a Associação Portuguesa de Designers, e onde serão apresentados trabalhos de designers nacionais bem como de um polo de jovens profissionais.

A Concreta contará também com a presença da Ordem dos Engenheiros, com membros de todos os colégios, «num intercâmbio que se espera frutuoso».