Habitação

Habitação: Avaliação bancária sobe para os 1.174 euros

Ana Tavares |
Habitação: Avaliação bancária sobe para os 1.174 euros

O valor mediano de avaliação bancária da habitação subiu 4 euros (0,3%) em fevereiro para os 1.174 euros por metro quadrado, mais 5,7% que em fevereiro do ano passado.

Os números agora publicados pelo INE mostram que este valor, usado como referência no âmbito dos pedidos de crédito à habitação, registou o maior aumento mensal na Madeira, de 2,1%. A descida mais acentuada registou-se nos Açores, de 0,5%.

Já na comparação com igual período de 2020, o valor mediano das avaliações registou a maior variação no Norte, com 6,4%, e a menor no Alentejo, com um aumento de 2,3%.

Em fevereiro, o valor mediano de avaliação bancária dos apartamentos fixou-se nos 1.291 euros/m², mais 6,9% que em fevereiro de 2020. O valor mais elevado foi registado na Área Metropolitana de Lisboa, com 1.562 euros/m², e o mais baixo no Alentejo, com 865 euros/m². Mas foi o Norte que registou a subida mais expressiva, de 8,3%.

Face ao mês anterior, foi a Área Metropolitana de Lisboa que registou a maior subida, de 1,9%, e o Algarve a quebra mais acentuada, de 0,9%.

Quanto às moradias, o valor mediano de avaliação bancária fixou-se nos 975 euros/m² em fevereiro, uma subida de 5,1% face a igual mês do ano anterior. Os valores mais elevados observaram-se no Algarve, com 1.561 euros/m², e na AML, com 1.545 euros/m². O Centro registou o valor mais baixo, de 812 euros/m². A Madeira registou a maior subia, de 10,9%, e o Algarve a menor, com 1,1%.

Por outro lado, face a janeiro, a Madeira registou o maior aumento do conjunto, de 3,7%. A descida mais acentuada verificou-se nos Açores, com uma quebra de 1,5%.

O INE destaca que o número de avaliações bancárias consideradas ascendeu a cerca de 23.000, menos 4,1% que em fevereiro de 2020.