Habitação

Avaliação bancária subiu em julho para 1.221 euros por metro quadrado

Fernanda Cerqueira |
Avaliação bancária subiu em julho para 1.221 euros por metro quadrado

A avaliação bancária das casas, para efeitos de concessão de crédito à habitação, voltou a subir no mês de julho. De acordo com o Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação, do Instituto Nacional de Estatística, o valor mediano de avaliação bancária subiu para 1.221 euros/ m², mais 6 euros que o observado em junho.

O maior aumento face a junho foi registado no Algarve (2,1%). Foi, em contrapartida, na Madeira onde a avaliação teve a maior descida (-0,4%). Na Área Metropolitana de Lisboa registou-se a variação mais intensa (8,1%) e a menor no Alentejo (2,4%).

Segundo o INE «o número de avaliações bancárias consideradas ascendeu a cerca de 30 mil, mais 53,6% que no mesmo período do ano anterior».

Área Metropolitana de Lisboa já tem valores por m² , na avaliação bancária, acima dos 1.600 euros

O metro quadrado dos apartamentos é mais elevado do que o metro quadrado das moradias. Em julho, o valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1.350 euros/ m² , tendo aumentado 9,8% relativamente a julho de 2020. E o valor mediano da avaliação bancária das moradias foi de 998 euros/ m² em julho, o que representa um acréscimo de 3,5% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

No caso dos apartamentos, o valor mais elevado foi observado na Área Metropolitana de Lisboa (1.606 euros/ m²) e o mais baixo no Alentejo (863 euros/ m²).

Nas moradias os valores mais elevados observaram-se no Algarve (1.628 euros/ m²) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.612 euros/ m²), tendo o Centro registado o valor mais baixo (824 euros/ m²).