Escritórios

Novo edifício de escritórios da EastBanc chega este ano ao mercado

Ana Tavares |
Novo edifício de escritórios da EastBanc chega este ano ao mercado
Foto: Google Maps

Chega este ano ao mercado o primeiro projeto de escritórios da americana EastBanc, na zona da Avenida da Liberdade, em Lisboa.

No nº 81 da Avenida da Liberdade, na esquina com a Praça da Alegria, o edifício onde funcionou a antiga loja da Dimofel está a ser totalmente reabilitado e vai transformar-se no Alegria 1, com 2.500 metros quadrados de escritórios e uma loja de 400 metros quadrados no piso térreo, conforme a empresa avançou ao Expresso.

Este imóvel foi adquirido em 2008, e as intenções sobre este projeto foram avançadas já em 2017. Tiago Eiró, diretor geral da EastBanc em Portugal, avança agora ao Negócios que o projeto «está neste momento a meio de obra e em breve será colocado no mercado», obra esta que deverá ser concluída no terceiro trimestre.

No seu site, a EastBanc descreve que «apesar de ser um edifício menos apalaçado do que outros no portefólio da EastBanc, o AL81 não deixa de ser um edifício repleto de história. Construído há mais de 100 anos, as diferentes frações foram sendo arrendadas para variados fins como habitação, escritórios, consultórios médicos, ou comércio (...). Enquanto parte integrante do Projeto Príncipe Real, após a sua total reabilitação, mantendo as fachadas e todos os elementos arquitetónicos que o caracterizam, o AL81 será um edifício de escritórios de topo».

Investimento de €40M em curso

A EastBanc tem em mãos um investimento de cerca de 40 milhões de euros para a zona do Príncipe Real, onde já detém uma série de imóveis e outros projetos já concluídos, a realizar ao longo dos próximos três a quatro anos. Mas Tiago Eiró assume a «vontade de investir mais em edifícios de escritórios bem localizados em Lisboa numa ótica mais de investimento e diversificar a nossa carteira. E temos a ambição de fazer projetos maiores em Lisboa, eventualmente terá de ser mais afastado do centro. A ideia é fazer edifícios de habitação, escritórios ou de uso misto de maior envergadura – 20.000 ou 30.000 metros quadrados», cita o Idealista News.