Proptech

Novas ferramentas para combater as ameaças cibernéticas

Javier Meseguer

Javier Meseguer

General Manager Southern Europe, Drooms

Os ataques cibernéticos são uma ameaça crescente para todas as empresas. Mas o setor imobiliário é especialmente atrativo para os hackers devido às transações frequentes de alto valor, entre diversas partes, que ocorrem digitalmente.

Ter a proteção certa para impedir tais ataques será sempre menos custoso do que recuperar dos mesmos, mas o que podem os profissionais do setor imobiliário em Portugal, incluindo construtores, consultores, investidores, gestores de imóveis, corretores, arquitetos, engenheiros e empreiteiros, fazer para se protegerem?

Para combater os ataques cibernéticos é imperativo que estes profissionais procurem obter o software e a tecnologia certos para ir ao encontro das necessidades personalizadas das suas empresas.

Com mais transações a serem realizadas online, o desafio é monitorizar e controlar o acesso à informação por parte de entidades externas. A proteção dos fluxos de informação entre os dispositivos, o combate ao ransomware e o controlo do acesso à informação por parte dos empregados também cria vulnerabilidades.

Os profissionais do ramo imobiliário, ao desenvolverem estratégias cibernéticas, deverão considerar as seguintes principais medidas:

Combate às ameaças

Sistema de alerta precoce: É necessária monitorização adequada para garantir que as falhas de segurança sejam realçadas logo que possível.

Contenção do ataque: Esta é da responsabilidade do departamento de TI de uma empresa, ou então de um especialista em segurança cibernética externo.

A estratégia de recuperação

Transparência: Os fornecedores de produtos e de serviços devem informar todas as partes interessadas, na primeira oportunidade, sobre desenvolvimentos importantes.

Participação de incidentes: As autoridades pertinentes devem ser atualizadas sobre os problemas. O Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD) torna esta atualização obrigatória.

Plano de resposta: Este deve incluir as informações fornecidas às partes interessadas, dando pormenores sobre o ataque e uma estratégia de relações públicas e de marketing.

Pontos-chave a considerar:

Governança: Deve ser constituído um grupo central que se encarregue da monitorização, do desenvolvimento e da implementação de programas e de políticas de segurança cibernética.

Gestão da estratégia: Os planos de resposta devem ser atualizados regularmente para garantir o cumprimento de todos os requisitos.

Formação: Os membros do pessoal que não integram o departamento de TI devem receber formação regularmente para garantir que estejam cientes dos riscos enfrentados pela empresa bem como das suas políticas de segurança cibernética.

Soluções essenciais para a sobrevivência

As empresas podem estabelecer uma forte proteção de dados, mediante a utilização de tecnologias altamente seguras.

As empresas imobiliárias devem considerar plenamente as suas opções, mas o armazenamento de dados baseado na nuvem e as salas de dados virtuais (VDR) oferecem uma solução altamente eficaz.

Os produtos VDR da Drooms protegem os dados dos nossos clientes, utilizando as normas mais elevadas de segurança atualmente disponíveis e fornecem protocolos para satisfazer todos os princípios da boa prática acima referidos.

A Drooms cumpre os requisitos de proteção de dados e de segurança de TI, totalmente em conformidade com o RGPD, realizando ela própria a manutenção do servidor, fornecendo serviços técnicos internos e apoio aos clientes, oferecendo autenticação multifator bem como sofisticados controlos de autorização e soluções de backup.

Estes são os requisitos mínimos que as empresas imobiliárias devem cumprir para poderem garantir a sua sobrevivência.